Foto: Polícia Civil do Paraná

Uma quadrilha de cibercriminosos, suspeita de invadir contas bancárias e desviar dinheiro, foi presa nesta quinta-feira durante uma operação deflagrada pelo Nuciber, o Núcleo de Combate aos Ciber Crimes, da Polícia Civil do Paraná.

A ação foi batizada como Operação Token. Até o final da manhã, sete pessoas foram presas e outras cinco eram consideradas foragidas. Duas delas a polícia já sabe que estão em território europeu.

Foram cumpridos 25 mandados judiciais nos estados do PR, SC, SP e RJ. Com os detidos, a polícia apreendeu mais de R$ 100 mil em dinheiro, cheques, uma máquina que imprime cartões bancários, caça-níqueis, celulares, computadores, relógios, além de carros de luxo como um Posche Cayene, um Audi Q5 e um Audi A4.

A suspeita é de que os criminosos tenham desviado pelo menos um milhão de reais, mas a polícia acredita que este montante pode passar de R$ 50 milhões.

Durante mais de dois anos a polícia investigou a quadrilha. Os policiais descobriram que de forma fraudulenta os criminosos obtinham os dados bancários dos clientes e, de posse destas informações, entravam em contato com as vítimas solicitando que entrassem em sites falsos para fazer uma atualização do sistema.

Uma das formas de enganar os clientes era através dos Tokens, que são dispositivos disponibilizados pelas instituições bancárias para realizar movimentações financeiras.

O delegado do Nuciber que coordenou a operação, Demétrius Gonzaga de Oliveira, explica que os recursos desviados foram usados das mais diferentes formas, desde o pagamento de contas e multas, até a compra de carros e imóveis de luxo.

A quadrilha agia há pelo menos quatro anos e o delegado acredita que mais vítimas devem aparecer. Os próprios investigados já se mostraram dispostos a colaborar com as investigações segundo o delegado.

Um dos mandados foi cumprido numa co…

Clique aqui para ver a publicação completa