Poderia estar enganado, mas bastaram os primeiros minutos assistindo o ultra indicado ao Oscar La La Land no cinema e eu já comecei com aquela sensação de “déja vu”, como dizem os franceses.

Tinha visto sim algo parecido e, por coincidência, vindo daquela área. A cena inicial em tela (sem trocadilho) me lembrou a obra de Jacques Demy “Les Demoiselles de Rochefort”, filmado na década de 1960, como um tributo aos musicais de Hollywood, que exerciam um fascínio no aclamado diretor.

Aquela sensação inicial começou a tomar corpo com a introdução do tema musical, mais parecendo vindo de uma trilha composta por Michel Legrand.

Exagero? Talvez…

Eis uma cena do início de La-La Land:

E a de Jacques Demy, também no início do filme:

Pode ser que eu ainda esteja enganado. Não tenho a trilha do novo filme comigo, mas eis aí uma captura de “La Chanson de Maxence”, tirada da trilha de Michel Legrand:

Se os temas não são estranhamente parecidos, então eu acho que estou ficando surdo!

Eu juro que entrei no cinema para ver La-La Land sem nenhuma expectativa de achar ressuscitado qualquer um dos musicais clássicos produzidos em Hollywood. Tinha lido várias críticas de usuários do IMDb, algumas das quais muito cáusticas, torpedeadas em direção a Ryan Gosling e Emma Stone, com o veredito de que ambos não sabem dançar nem cantar.

Seria, a meu juízo, injusto e eu diria até cruel fazer uma comparação de Gosling e Stone com atores do tempo de outrora.

É imperativo levar em consideração que os esquemas de produção são completamente diferentes, a estrutura dos estúdios daquela época idem, com departamentos inteiros dedicados ao treinamento e aperfeiçoamento de atores para se tornarem dançarinos e cantores.

Só a M-G-M, por exemplo, tinha uma profissional com dedicação integral para achar o melhor tom de voz para cada ator, impedindo que os mesmos, que não eram cantores profissionais, fizessem feio quando escutados nos cinemas.

Hollywood se preparou para os filmes musicais de forma radical. Quando o ator não mostrava uma voz capaz de convencer a plateia ele/ela eram dublados. Marni Nixon, por exemplo, dublou Natalie Wood em West Side Story e Audrey Hepburn em My Fair Lady, no caso desta última que ficou chateada, mas o estúdio (Warner) não abriu mão de tê-lo feito, e ponto!

Apreciação

Eu não tenho intenção de fazer uma crítica formal, que é extensa e trabalhosa. Basta dizer que se a trilha jazzística de La-La Land não reflete o pensamento do roteiro do diretor, então eu não sei mais o que é.

Há um discurso libertário falando sobre a “morte do jazz”, assunto este que permeou revistas americanas durante a década de 1960, e provavelmente continua sendo ventilado em rodas musicais alienígenas.

O personagem fala do jazz com paixão, e explica didaticamente os sentimentos dos músicos quando a música é executada. Tem tudo a haver com o impulso criador, característica essa com a qual a namorada candidata a atriz se identifica.

Esta última mostra na tela a frustração dos atores desconhecidos perante uma profissão excludente e ao mesmo tempo oportunista. É fato histórico a montoeira de desmazelos pelos quais aspirantes da profissão de ator/atriz passaram em solo Hollywoodiano, com destinos depois distintos da carreira de cinema. O fato foi ironizado no musical Cantando na Chuva, da M-G-M, portanto um problema antigo que aparentemente continua crônico.

Neste sentido, aposto as minhas fichas que muita gente talvez não saiba o que vem a ser La-La Land. Depois de anos vendo Hollywood se tornar uma verdadeira fábrica de sonhos, um belo dia (alguns atribuem a jornalistas) o famoso espaço Californiano foi batizado com esta expressão, fazendo trocadilho com a cidade que abriga o bairro: Los Angeles!

No novo filme, o título me parece ter sido intencionalmente colocado como uma terra de fantasia, com ambiente surrealista, e com a ironia de ter pessoas com carreiras difíceis ou até destruídas, fama que Hollywood ganhou ao longo dos anos.

Não creio que o diretor, uma pessoa jovem e eloquente, possa ter outra visão. Mas, em todo o caso, razões não faltam para que ele o tenha feito assim. [Web]

. . . . .

Leia também:

  • 2001, Uma Odisseia No Espaço
  • Isto é Cinerama!
  • Sniper Americano, no meio de um turbilhão de controvérsias
  • Clint Eastwood, artista consumado
  • O Jogo Da Imitação e a vida de Alan Turing
  • O fino da ficção científica
  • Todos os textos de Paulo Roberto Elias

The post Musical de Hollywood à moda antiga? appeared first on Web.

Se você gostou da notícia compartilhe nos botões abaixo ou ao lado.

Fique atualizado, siga a gente no Instagram Facebook

Faça a análise SEO da sua empresa gratuitamente e em menos de 1 minuto. Análise Mercado Binário

Veja o texto original

Somos uma agência diferente, focada em vendas e automação.
http://criacaode.site
http://desenvolvimentode.site http://criacaositecuritiba.com

Até a próxima  🙂
Abraços Rodrigo Schvabe

Ou entre em contato conosco
Email: atendimento@mercadobinario.com.br


Endereço:
Mercado Binário

3ª andar – Av. João Gualberto, 1881 – Juveve,
Curitiba
Paraná
8003000

Telefones: (41)39088448
WhatsApp:(41)99547-3615