Foto: Delegacia da Mulher

A polícia civil concluiu o inquérito sobre a denúncia de estupro feita por uma aluna da Universidade Positivo, no ano passado. Conforme a conclusão das equipes da Delegacia da Mulher, a jovem inventou a história.

A aluna foi à polícia em maio de 2017 e afirmou ter sido vítima de violência sexual dentro do campus da instituição.

Conforme a delegada Eliete Kovalhuk, responsável pelo caso, a estudante caiu em contradição diversas vezes nos momentos em que prestou depoimento, mas que o principal ponto que deixou clara a falsa comunicação de crime foi descoberto com a perícia no telefone da jovem

A versão inicial dada por ela foi de que havia recebido uma mensagem de texto chamando-a para uma aula em um auditório da Universidade e que foi atacada a caminho do local. Entretanto, as investigações comprovaram que esse SMS nunca existiu.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Falso-estupro-Positivo-01-CS.mp3

Segundo a delegada, o inquérito aponta a falsa comunicação de crime. 

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Falso-estupro-Positivo-02-CS.mp3

Ainda sobre o caso, a delegada deu detalhes sobre o que teria motivado a jovem.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Falso-estupro-Positivo-03-CS.mp3

Ainda no ano passado, após a informação sobre o suposto estupro – que agora se sabe, não aconteceu – alunos da Universidade chegaram a fazer manifestações dentro do campus cobrando mais segurança, mas à época a instituição não se manifestou.

Procurada agora a Universidade Positivo divulgou nota. O texto afirma que “Diante do relatório final do inquérito divulgado pela Polícia Civil por meio da Delegacia da Mulher, que concluiu pela inexistência de crime em suas dependências, a Universidade Positivo (UP) demonstra sua satisfação por ter sido esclarecido o fato denunciado – confessadamente inverídico – e agradece o minucioso trabalho policial realizado, com o qua…

Click here to view full post