Os ‘nãos’ que Ana Paula recebeu ao longo da vida tiveram um efeito bumerangue: em vez de paralisá-la, foram impulso para que ela chegasse até aqui. No palco do Day1, a empreendedora compartilha essa história!

Quando Ana Paula Padrão estava de saída da Record, encerrando um ciclo de 27 anos em telejornais, um colega da emissora perguntou: “Por que você demorou tanto para lançar seu próprio negócio?”. Ana estava saindo, naquele momento, para se dedicar à sua mais nova empresa: a Tempo de Mulher. O que ele não sabia é que aquele não era o primeiro negócio de Ana Paula. Muito menos o último.

Antes de se afirmar como empreendedora, Ana já enfrentou muitos ‘nãos’ em sua vida. Fez das negativas, impulso para viver a própria jornada. E com ele, foi tão longe, mas tão longe, que chegou até aqui, no palco do Day1 e à frente do MasterChef, da Tempo de Você, da agência Touareg e da Escola de Você.

Para entender melhor essa história, é preciso voltar no tempo. Vamos à Brasília de 1965.

A vida pela janela

A capital do país era um grande canteiro de obras, o céu uma imensidão azul. Ana passava sua infância olhando a vida pela janela. No prédio de seis andares onde morava com seus pais, via os terrenos baldios ao redor serem ocupados, de tempos em tempos, pelos ciganos.

Eles subiam suas tendas coloridas, cantavam suas músicas e depois partiam. Ana queria partir com eles. Conhecer novas pessoas, explorar novos lugares e viver suas próprias aventuras. Foi por isso que decidiu fazer jornalismo. Aquele seria seu ticket de saída para o mundo.

Logo na faculdade, participou de um processo seletivo de estágio na TV Bandeirantes. Levou sua fita VHS com alguns vídeos que já tinha produzido e, alguns dias depois, foi chamada para conversar. A entrevistadora foi direto ao ponto: “Menina, desista da TV. Você nunca será repórter de televisão. Você não foi feita para o vídeo. Estou dizendo isso para o seu próprio bem!”. Aquele foi o…

Clique aqui para ver a publicação completa