Adolescente suspeito de matar jovem em assalto é detido em Colombo

Adolescente suspeito de matar jovem em assalto é detido em Colombo

Apesar de ter confessado o crime, a Justiça do município decidiu que o jovem não deveria permanecer detido. O adolescente deixou a delegacia na manhã de hoje (17) e vai responder em liberdade. O comparsa dele, de 19 anos, que golpeou a vítima na nuca, segue foragido.

O caso ganhou destaque depois que o corpo da vítima foi velado pela família na rua por quase 14 horas, tempo que o Instituto Médico Legal demorou para recolher o corpo.

De acordo com o delegado Irineu Portes, da Delegacia Central de Colombo, o adolescente não mora na cidade e iria dividir o dinheiro da venda de celulares roubados com o outro suspeito.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-ADOLESCENTE-DETIDO-01-LP.mp3

Quando os dois envolvidos na morte de Carlos Ramon saíram de casa, no dia do crime, um escondeu uma faca embaixo da blusa e o outro tinha uma pistola de brinquedo. Eles viram três pessoas na rodovia e passaram a perseguir essas pessoas porque estavam falando ao celular.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-ADOLESCENTE-DETIDO-02-LP.mp3

A suspeita inicial era de que a vítima tivesse sido assassinado a tiros. Só após a perícia é que foi confirmado que foi um golpe de faca na nuca. O delegado Irineu Portes afirmou que os dois envolvidos na morte do jovem tinham passagens pela polícia e que não restam dúvidas de que os dois foram os autores do crime.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-ADOLESCENTE-DETIDO-03-LP.mp3

Qualquer informação sobre o paradeiro do outro suspeito, de 19 anos, deve ser repassada à Delegacia de Polícia Civil de Colombo ou por meio do 190. O adolescente em liberdade vai responder por roubo seguido de morte e, se condenado, pode ficar internado por até 3 anos, prazo máximo para delitos graves, conforme determina o Estatuto da Criança e do Adolescente. Já o foragido pode responder por uma pena que varia de 20 a 30 anos de prisão.

Repórter Lucian Pichetti

Click here to view full post

Quase 95% dos presos do semiaberto retornaram após as saídas de fim de ano

Quase 95% dos presos do semiaberto retornaram após as saídas de fim de ano

Foto: Divulgação/DPPR

Um balanço do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) mostra que quase 95% dos presos que cumprem pena em regime semiaberto retornaram ao sistema prisional após a liberação para as festividades de fim de ano. Eles cumpriram os prazos determinados previamente para a reapresentação.

Segundo o levantamento, divulgado na quinta-feira, 67 dos 1.540 apenados neste tipo de regime não retornaram às unidades prisionais. Isto representa um índice de evasão de 4,35%. O diretor-adjunto do Depen, Cezinando Vieira Paredes, explica que a proporção foi menor daquela registrada no mesmo período do ano passado.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-EVASÃO-SEMIABERTO-01-JC.mp3

Os presos que não se apresentaram nas unidades penais depois das festividades de fim de ano são considerados foragidos, de acordo com Cezinando Paredes.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-EVASÃO-SEMIABERTO-02-JC.mp3

As razões para os presos não retornarem ao sistema prisional são bastante variadas. Elas passam por motivos de saúde, por exemplo. Mesmo assim, devem ser justificadas. O diretor-adjunto do Depen explica que podem ocorrer punições pela demora na reapresentação.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-EVASÃO-SEMIABERTO-03-JC.mp3

Apesar da evasão registrada, Cezinando Paredes considera a saída temporária como uma medida eficaz para aqueles que estão no regime semiaberto.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-EVASÃO-SEMIABERTO-04-JC.mp3

O Depen ainda esclarece que o benefício da saída temporária também visa a atribuição de mecanismos de recompensas e de aferição do senso de responsabilidade e disciplina de quem cumpre a pena no regime semiaberto.

Repórter Joyce Carvalho

Click here to view full post

Bandidos fazem ‘bloqueio’ e assaltam agência bancária em Piraí do Sul

Bandidos fazem ‘bloqueio’ e assaltam agência bancária em Piraí do Sul

Foto: Reprodução Street View

Oito bandidos explodiram uma agência bancária em Piraí do Sul, nos Campos Gerais, nesta quarta-feira (10). Os assaltantes fizeram um cerco na entrada e na saída da cidade para impedir a ação dos policiais.

Ao todo, foram três explosões. Todas aconteceram por volta das 4h30 da manhã e a ação dos bandidos durou aproximadamente cinco minutos. O objetivo não era apenas os caixas eletrônicos, mas sim, o cofre do banco que fica no Centro da cidade.

Segundo o delegado da Polícia Civil da cidade, Durval Ataíde Filho, o grupo criminoso se preparou para o crime. Enquanto uma parte da quadrilha explodia o banco, outra impediu a ação da Polícia Militar.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-ASSALTO-AGÊNCIA-1.mp3

Ainda de acordo com o delegado, durante a fuga, os suspeitos espalharam miguelitos, pregos utilizados para estourar o pneu das viaturas policiais. Eles fugiram em dois veículos.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-ASSALTO-AGÊNCIA-2.mp3

O Instituto de Criminalística de Ponta Grossa foi acionado para periciar o local. O delegado ainda alertou que a região é alvo frequente das quadrilhas que assaltam agências bancárias.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-ASSALTO-AGÊNCIA-3.mp3

A agência bancária foi isolada e o valor levado pelos assaltantes ainda não foi informado. Até o momento, nenhum suspeito foi localizado.

Assalto com reféns

O assalto a Piraí do Sul não foi o único nesta quarta. Em Guaraqueçaba, no litoral do Estado, três ladrões armados fizeram cinco pessoas reféns e explodiram dois caixas eletrônicos de uma agência bancária.

Segundo a Polícia Militar de Guaraqueçaba, os criminosos usaram os moradores como ‘escudo’ para conseguir evitar a ação policial. Eles fugiram em dois veículos e houve troca de tiros, mas ninguém ficou ferido.

Cerca de 20 quilômetros do local do roubo, um carro utilizado pelos bandidos foi incendiado. A quantia l…

Click here to view full post

Jovem que denunciou estupro em universidade pode responder por falsa comunicação de crime

Jovem que denunciou estupro em universidade pode responder por falsa comunicação de crime

Foto: Delegacia da Mulher

A polícia civil concluiu o inquérito sobre a denúncia de estupro feita por uma aluna da Universidade Positivo, no ano passado. Conforme a conclusão das equipes da Delegacia da Mulher, a jovem inventou a história.

A aluna foi à polícia em maio de 2017 e afirmou ter sido vítima de violência sexual dentro do campus da instituição.

Conforme a delegada Eliete Kovalhuk, responsável pelo caso, a estudante caiu em contradição diversas vezes nos momentos em que prestou depoimento, mas que o principal ponto que deixou clara a falsa comunicação de crime foi descoberto com a perícia no telefone da jovem

A versão inicial dada por ela foi de que havia recebido uma mensagem de texto chamando-a para uma aula em um auditório da Universidade e que foi atacada a caminho do local. Entretanto, as investigações comprovaram que esse SMS nunca existiu.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Falso-estupro-Positivo-01-CS.mp3

Segundo a delegada, o inquérito aponta a falsa comunicação de crime. 

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Falso-estupro-Positivo-02-CS.mp3

Ainda sobre o caso, a delegada deu detalhes sobre o que teria motivado a jovem.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Falso-estupro-Positivo-03-CS.mp3

Ainda no ano passado, após a informação sobre o suposto estupro – que agora se sabe, não aconteceu – alunos da Universidade chegaram a fazer manifestações dentro do campus cobrando mais segurança, mas à época a instituição não se manifestou.

Procurada agora a Universidade Positivo divulgou nota. O texto afirma que “Diante do relatório final do inquérito divulgado pela Polícia Civil por meio da Delegacia da Mulher, que concluiu pela inexistência de crime em suas dependências, a Universidade Positivo (UP) demonstra sua satisfação por ter sido esclarecido o fato denunciado – confessadamente inverídico – e agradece o minucioso trabalho policial realizado, com o qua…

Click here to view full post

À vista ou parcelado? Economista orienta sobre pagamento de IPTU e IPVA

À vista ou parcelado? Economista orienta sobre pagamento de IPTU e IPVA

Foto: Valdecir Galor / SMCS

Começo de ano é época de pensar nos gastos inevitáveis como os impostos devidos; e os principais deles logo, logo, vão entrar na lista de afazeres do contribuinte. O IPVA começa a vencer na semana que vem; e os carnês do IPTU já foram remetidos e chegam às caixas de correio nos próximos dias.

Os dois tem desconto no pagamento à vista: de 3% para o IPVA e 4% para o IPTU. Mas vale a pena se livrar de vez dessa dívida? Ou a melhor opção é o parcelamento?

O economista Emerson Fabris, especialista em gestão familiar, diz que essa resposta depende. Leve em conta o imposto, o seu perfil financeiro e também as possibilidades de pagamento.

Vamos lá: primeiro para os donos de carro. Tem todo o dinheiro na mão e nenhum outro plano para usá-lo? Opte por quitar integralmente o IPVA.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-02-CS.mp3

Ainda assim, o parcelamento pode cair melhor em outros casos, diz o economista.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-01-CS.mp3

Não tem todo o dinheiro agora? Não tem problema, mas a sugestão de Emerson Fabris nessa situação é por se planejar direitinho com as parcelas.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-03-CS.mp3

Já quando o assunto é IPTU, Emerson Fabris destaca que o parcelamento mais longo, em até dez vezes, pode ser bem interessante. Para ter certeza, coloque na ponta do lápis o que poderia ser feito com o dinheiro ou o retorno que ele daria em outras condições.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-04-CS.mp3

Em resumo: para o IPVA, o pagamento à vista pode ser mais vantajoso, na avaliação do economista, pois uma aplicação dificilmente alcançaria um rendimento de 3% em tão pouco tempo, ou seja, nesse caso o desconto compensa.

Já para o IPTU, o parcelamento em mais vezes se torna interessante para o contribuinte, já que há mais tempo p…

Click here to view full post