Foto: Valdecir Galor / SMCS

Começo de ano é época de pensar nos gastos inevitáveis como os impostos devidos; e os principais deles logo, logo, vão entrar na lista de afazeres do contribuinte. O IPVA começa a vencer na semana que vem; e os carnês do IPTU já foram remetidos e chegam às caixas de correio nos próximos dias.

Os dois tem desconto no pagamento à vista: de 3% para o IPVA e 4% para o IPTU. Mas vale a pena se livrar de vez dessa dívida? Ou a melhor opção é o parcelamento?

O economista Emerson Fabris, especialista em gestão familiar, diz que essa resposta depende. Leve em conta o imposto, o seu perfil financeiro e também as possibilidades de pagamento.

Vamos lá: primeiro para os donos de carro. Tem todo o dinheiro na mão e nenhum outro plano para usá-lo? Opte por quitar integralmente o IPVA.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-02-CS.mp3

Ainda assim, o parcelamento pode cair melhor em outros casos, diz o economista.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-01-CS.mp3

Não tem todo o dinheiro agora? Não tem problema, mas a sugestão de Emerson Fabris nessa situação é por se planejar direitinho com as parcelas.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-03-CS.mp3

Já quando o assunto é IPTU, Emerson Fabris destaca que o parcelamento mais longo, em até dez vezes, pode ser bem interessante. Para ter certeza, coloque na ponta do lápis o que poderia ser feito com o dinheiro ou o retorno que ele daria em outras condições.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/01/SONORA-Orienta-impostos-04-CS.mp3

Em resumo: para o IPVA, o pagamento à vista pode ser mais vantajoso, na avaliação do economista, pois uma aplicação dificilmente alcançaria um rendimento de 3% em tão pouco tempo, ou seja, nesse caso o desconto compensa.

Já para o IPTU, o parcelamento em mais vezes se torna interessante para o contribuinte, já que há mais tempo p…

Click here to view full post