Cesta básica de Curitiba tem a terceira maior alta do país

Foto: CMC

Curitiba foi a capital brasileira que apresentou a terceira maior alta dos produtos que compõem a cesta básica no mês de junho, com aumento de 3,84%, ficando atrás apenas de Cuiabá (7,54%) e Recife (5,82%). Os dados são da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA) divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

No mês de maio, a cesta básica custava R$ 397,17 na capital paranaense. Em junho, o valor passou para R$ 412,44.

Para o economista Daniel Poit a alta é reflexo da greve dos caminhoneiros.

Mesmo com o maior aumento, Curitiba não é a capital que tem a cesta mais cara do país. Os preços mais elevados são registrados em Porto Alegre, onde o conjunto de alimentos custa R$ 452,81, seguida por São Paulo e Rio de Janeiro. Os menores valores são encontrados em Salvador (R$ 333) e Aracaju (R$ 349, 55).

O economista acredita que a comodidade do curitibano, em não reclamar, contribui para que os preços continuem crescendo.

Segundo o DIEESE, entre maio e junho de 2018, houve aumento nos preços do leite integral, carne bovina de primeira, feijão, farinha de trigo, óleo de soja e açúcar.

Em Curitiba, o leite integral subiu mais de 18% e o preço do feijão preto apresentou elevação de 3,11%. Já a farinha de trigo, no acumulado dos últimos 12 meses, teve aumento de 6,45%. No mesmo período, o óleo de soja subiu 2,37%.

Daniel Poit orienta que o consumidor pesquise antes de comprar e pense na substituição de alguns produtos.

Mas, de acordo com o economista, não é preciso se desesperar, pois a tendência é que haja uma redução nos próximos meses.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/07/SONORA-AUMENTO-CE…

Clique aqui para ver a publicação completa

Cesta básica de Curitiba tem a terceira maior alta do país

Foto: CMC

Curitiba foi a capital brasileira que apresentou a terceira maior alta dos produtos que compõem a cesta básica no mês de junho, com aumento de 3,84%, ficando atrás apenas de Cuiabá (7,54%) e Recife (5,82%). Os dados são da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA) divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

No mês de maio, a cesta básica custava R$ 397,17 na capital paranaense. Em junho, o valor passou para R$ 412,44.

Para o economista Daniel Poit a alta é reflexo da greve dos caminhoneiros.

Mesmo com o maior aumento, Curitiba não é a capital que tem a cesta mais cara do país. Os preços mais elevados são registrados em Porto Alegre, onde o conjunto de alimentos custa R$ 452,81, seguida por São Paulo e Rio de Janeiro. Os menores valores são encontrados em Salvador (R$ 333) e Aracaju (R$ 349, 55).

O economista acredita que a comodidade do curitibano, em não reclamar, contribui para que os preços continuem crescendo.

Segundo o DIEESE, entre maio e junho de 2018, houve aumento nos preços do leite integral, carne bovina de primeira, feijão, farinha de trigo, óleo de soja e açúcar.

Em Curitiba, o leite integral subiu mais de 18% e o preço do feijão preto apresentou elevação de 3,11%. Já a farinha de trigo, no acumulado dos últimos 12 meses, teve aumento de 6,45%. No mesmo período, o óleo de soja subiu 2,37%.

Daniel Poit orienta que o consumidor pesquise antes de comprar e pense na substituição de alguns produtos.

Mas, de acordo com o economista, não é preciso se desesperar, pois a tendência é que haja uma redução nos próximos meses.

https://cbncuritiba.com/wp-content/uploads/2018/07/SONORA-AUMENTO-CE…

Clique aqui para ver a publicação completa

Bando suspeito de roubos a residências é preso no Sítio Cercado

Foto: Divulgação Polícia Civil

Um bando suspeito de praticar roubos a residências foi detido após manter um casal refém no Sítio Cercado. De acordo com a polícia, casos semelhantes são investigados e os presos teriam ligação com outros crimes.

Equipes policiais capturaram os quatro suspeitos após a Delegacia de Furtos e Roubos receber informações sobre movimentação suspeita em uma casa do bairro. De acordo com o delegado-adjunto da especializada, Emmanoel David, a ação foi percebida por testemunhas, que avisaram a polícia.

A partir do acompanhamento tático realizado, observou-se que o carro roubado se encontrou com outro veículo que dava cobertura à fuga. Os suspeitos, então, entraram em outro imóvel, onde foram abordados pela polícia.

Após a prisão dos envolvidos, as equipes policiais voltaram até a casa das vítimas. O casal, que havia sido amarrado com lençóis e cabos de energia, já havia conseguido se livrar e relatou a ação dos criminosos, bastante violenta.

De acordo com o delegado Emmanoel David, os quatro presos têm outras passagens por crimes similares; alguns deles inclusive agindo como falsos policiais para praticar roubo a residências.

As prisões foram feitas na madrugada de terça (26) para a quarta-feira (27) desta semana. Conforme informações da Delegacia de Furtos e Roubos, casos semelhantes estão sob investigação.

Repórter Cristina Seciuk

Clique aqui para ver a publicação completa

Operação na fronteira resulta em 83 prisões e quase três toneladas de drogas apreendidas

Foto: Vanessa Fernandes

A Secretaria da Segurança Pública do Paraná, junto com representantes das forças de segurança municipais e federais, divulgaram nesta sexta-feira (29) o balanço final da Operação Esforço Integrado que aconteceu no Paraná e em outros 10 estados.

O objetivo da ação policial foi reforçar a segurança em toda a área de fronteira combatendo a entrada e saída de drogas ilícitas, armas e diversos outros produtos ilegais.

Na ação, mas de 1,1 mil agentes de segurança, abordaram mais de 24,6 mil pessoas, vistoriaram 14.355 veículos bem como 30 estabelecimentos comerciais.

O trabalho resultou na apreensão de 130 veículos, dois ônibus, oito embarcações e 17 carros foram recuperados pela polícia. Doze armas de fogo foram apreendidas, assim como 107 simulacros e 69 munições de diferentes calibres. Os policiais ainda encontraram 530 caixas de cigarro contrabandeados além de outras mercadorias ilegais. 83 pessoas foram presas e oito adolescentes apreendidos. Os policiais apreenderam também quase 3 toneladas de drogas entre maconha, cocaína, haxixe e crack.

Segundo o Coronel Antonio Zanatta Neto, chefe do Estado Maior da Polícia Militar, com ações integradas como esta é possível reorganizar o trabalho das forças de segurança e se antecipar as ações de criminalidade.

Durante a apresentação dos resultados da 1ª fase da Operação Esforço Integrado, todos os integrantes das forças de segurança reiteraram que outras ações como esta serão desenvolvidas no Paraná pelo serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública junto às forças federais do Ministério da Segurança Pública.

— Repórter Vanessa Fernandes

Clique aqui para ver a publicação completa