Como empreender adquirindo uma empresa pronta?

Como empreender adquirindo uma empresa pronta?

Para alguns empreendedores, adquirir uma empresa pronta representa menor risco do que iniciar um negócio do zero. Fato é que, se você souber escolher a empresa certa para investir seu capital, com certeza terá algumas facilidades em relação a uma organização nova.

Muitos são os motivos que levam o investidor a comprar uma determinada empresa, seja pela oportunidade de mercado, potencial de crescimento ou de melhorias, etc. Se você tem a intenção de empreender e quer saber mais sobre a metodologia de compra de empresas e como fazer a escolha certa, acompanhe as nossas dicas ao longo do texto. Aqui você descobrir quais os principais aspectos que devem ser levados em consideração na hora de selecionar uma empresa para investir o seu capital.

O que saber antes de adquirir uma empresa?

Você sabia que o Brasil está entre os dez maiores países empreendedores do mundo?

Pois bem, isso faz com que diariamente surjam inúmeras oportunidades de compra de empresas de menor porte.

É preciso tomar alguns cuidados antes de fazer a escolha por determinada empresa. Conheça alguns pontos que merecem a sua atenção:

  •  É preciso saber se as suas características pessoais estão de acordo com as atividades realizadas pela empresa. Não basta apenas achar o negócio interessante, você tem que se imaginar à frente da organização.
  • Além de conversar com os sócios da empresa já existente, procure também a opinião de fornecedores e clientes.
  • Peça a ajuda de um especialista para levantar as certidões negativas da empresa, que mostrarão se a mesma possui dívidas e qual o valor. Além disso, é importante tirar certidões do FGTS, INSS, Receita Federal e Serasa. Nada impede que você negocie as dívidas junto com a compra da empresa.
  •  Analise a “estabilidade” da receita, verificando se tratam-se de receitas recorrentes, se estão adequadamente diversificadas em número de clientes, se existem riscos de entradas de novos concorrentes ou novas tec…
  • Clique aqui para ver a publicação completa

    Corpo encontrado na Graciosa é de Andriely, desaparecida há um mês

    Corpo encontrado na Graciosa é de Andriely, desaparecida há um mês

    Foto: reprodução/Facebook

    A direção da Polícia Científica do Paraná informou no começo da tarde desta segunda-feira (11) que é da jovem Andriely Gonçalves da Silva, de 22 anos, o corpo encontrado na Serra da Graciosa na última sexta (08). Ela estava desaparecida há um mês.

    Durante o fim de semana uma tia da estudante de direito esteve no Instituto Médico Legal e teria reconhecido as roupas da jovem e uma tatuagem no braço direito. A identificação definitiva do corpo foi feita no IML de Curitiba por meio de exame de reconhecimento da arcada dentária, com base em radiografias entregues pela família.

    Ainda durante a tarde, o delegado Reinaldo Zequinão, da delegacia do Alto Maracanã deve conceder entrevista coletiva para dar mais detalhes sobre o laudo. Segundo a Polícia Científica, o documento será juntado ao inquérito policial, que inicialmente tratava do desaparecimento de Andriely, em 09 de maio. Conforme informações já repassadas pela polícia o corpo dela estaria na mata, onde foi encontrado, há pelo menos 20 dias.

    Ex-companheiro de Andriely, o policial militar Diogo Coelho Costa é o considerado o principal suspeito pelo desaparecimento da jovem. O PM está preso desde o dia 19 de maio. A prisão é temporária e vence em 19 de junho, mas pode haver pedido pela prorrogação do prazo da ou ainda pela conversão em prisão preventiva.

    Repórter Cristina Seciuk

    Clique aqui para ver a publicação completa

    Ação das polícias do PR e SP prende homem suspeito de falsificação de documentos

    Ação das polícias do PR e SP prende homem suspeito de falsificação de documentos

    Foto: Divulgação/Polícia Civil

    Um jovem de 21 anos foi preso por policiais da delegacia de estelionato de Curitiba, em uma operação conjunta com a polícia de São Paulo. Ele é suspeito de integrar uma quadrilha especializada em fraudar documentos para abertura de contas bancárias.

    Ele foi preso na cidade de São Paulo, na quinta-feira passada, mas a prisão foi divulgada somente nesta segunda-feira. Com o suspeito, a polícia encontrou 64 carteiras de identidade falsificadas, dos estados do paraná e de Santa Catarina. Os documentos ainda estavam sem as fotos e assinaturas para que pudessem ser utilizados pelos integrantes da quadrilha em Curitiba.

    A polícia chegou até o rapaz, após a prisão de duas mulheres na semana passada. Elas foram presas em flagrante dentro de uma agência bancária no bairro Batel, quando tentavam abrir uma conta com documentos falsos.

    Repórter Karina Bernardi

    Foto: Divulgação/Polícia Civil

    Clique aqui para ver a publicação completa

    Day1 | Ana Paula Padrão: o impossível é apenas uma opinião

    Os ‘nãos’ que Ana Paula recebeu ao longo da vida tiveram um efeito bumerangue: em vez de paralisá-la, foram impulso para que ela chegasse até aqui. No palco do Day1, a empreendedora compartilha essa história!

    Quando Ana Paula Padrão estava de saída da Record, encerrando um ciclo de 27 anos em telejornais, um colega da emissora perguntou: “Por que você demorou tanto para lançar seu próprio negócio?”. Ana estava saindo, naquele momento, para se dedicar à sua mais nova empresa: a Tempo de Mulher. O que ele não sabia é que aquele não era o primeiro negócio de Ana Paula. Muito menos o último.

    Antes de se afirmar como empreendedora, Ana já enfrentou muitos ‘nãos’ em sua vida. Fez das negativas, impulso para viver a própria jornada. E com ele, foi tão longe, mas tão longe, que chegou até aqui, no palco do Day1 e à frente do MasterChef, da Tempo de Você, da agência Touareg e da Escola de Você.

    Para entender melhor essa história, é preciso voltar no tempo. Vamos à Brasília de 1965.

    A vida pela janela

    A capital do país era um grande canteiro de obras, o céu uma imensidão azul. Ana passava sua infância olhando a vida pela janela. No prédio de seis andares onde morava com seus pais, via os terrenos baldios ao redor serem ocupados, de tempos em tempos, pelos ciganos.

    Eles subiam suas tendas coloridas, cantavam suas músicas e depois partiam. Ana queria partir com eles. Conhecer novas pessoas, explorar novos lugares e viver suas próprias aventuras. Foi por isso que decidiu fazer jornalismo. Aquele seria seu ticket de saída para o mundo.

    Logo na faculdade, participou de um processo seletivo de estágio na TV Bandeirantes. Levou sua fita VHS com alguns vídeos que já tinha produzido e, alguns dias depois, foi chamada para conversar. A entrevistadora foi direto ao ponto: “Menina, desista da TV. Você nunca será repórter de televisão. Você não foi feita para o vídeo. Estou dizendo isso para o seu próprio bem!”. Aquele foi o…

    Clique aqui para ver a publicação completa

    Day1 | Tiago Dalvi: “Nenhum modelo de negócio está escrito em pedra”

    Para Tiago Dalvi, empreender é como pilotar um carrinho de rolimã na descida. A pista é esburacada e a velocidade tão alta que você não tem escolha, a não ser olhar para frente. Foi assim que nasceu o Olist. E é essa história que ele conta em seu Day1!

    Aqui na Endeavor, nós não acreditamos em “overnight success”, a história do empreendedor que vira um sucesso, do dia para a noite. O que mais vemos, ao contrário, são jornadas mais longas que só encontram o sucesso por persistência e muita resiliência de quem empreende. O “overnight success” de Tiago Dalvi, por exemplo, já dura 12 anos — e ele acredita que ainda está só no começo.

    Tiago nasceu em Londrina, no interior do Paraná. Para ele, a ideia de empreendedorismo sempre foi natural e, ao mesmo tempo, assustadora. Essa contradição vinha do exemplo de casa. Começou quando seu pai e sua mãe decidiram largar o escritório de arquitetura para abrir uma loja de aeromodelismo no shopping. Tudo ia bem, até que o governo instituiu uma norma que sobretaxava os artigos de importação, levando a loja à falência.

    Desse tempo, Tiago tem uma memória que o marcou muito. Quando ele pedia ao pai dinheiro para comprar um Big Mac — que, na época, custava só R$4,95 — ele tirava o dinheiro do caixa da loja. Misturava o bolso da empresa com o bolso da família. Experiências como essa levaram Tiago a entrar na faculdade de administração: para aprender tudo o que podia sobre gestão e abrir o próprio negócio.

    Foi na UFPR, em Curitiba, que sua jornada começou. Lá, trabalhou por três anos na Empresa Jr., onde conheceu um grupo de ex-alunos que estavam empreendendo na área de negócios sociais. Eles estavam fundando a Aliança Empreendedora. Naquela época, Tiago tinha lido “O Banqueiro dos Pobres” de Muhammad Yunus que ganharia, tempos depois, o Prêmio Nobel da Paz. Era aquilo que ele queria fazer: um negócio que unisse lucro com impacto social.

    Conversando com o pessoal da Aliança, T…

    Clique aqui para ver a publicação completa