Presos por estelionato viajavam de São Paulo a Curitiba especialmente para aplicar o golpe

Presos por estelionato viajavam de São Paulo a Curitiba especialmente para aplicar o golpe

Foto: Polícia Civil do Paraná

Três pessoas, uma mulher e dois homens com 39, 37 e 24 anos, foram presos na manhã desta quinta-feira em uma agência bancária no centro de Curitiba. A prisão foi realizada pela equipe de investigação da Delegacia de Estelionatos, enquanto os três tentavam abrir uma conta corrente usando documentos falsos. Todos são naturais de São Paulo.

Segundo informações da Policia Civil, o grupo viajava de São Paulo a Curitiba com o objetivo de abrir contas em diversos bancos da cidade, usando nomes diferentes e documentação falsa para solicitar empréstimos e não pagar.

No momento da prisão, um dos suspeitos estava dentro da agência tentando realizar a abertura da conta, e os outros dois estavam aguardando do lado de fora.

De acordo com a delegada-adjunta da Delegacia de Estelionato, Vanessa Alice, a equipe chegou até o trio após ser acionada pelo Setor de Fraudes da agência bancária.

Durante a prisão, o grupo criminoso não esboçou nenhuma reação. Ao serem ouvidos na unidade, todos confessaram o crime e confirmaram que vinham até Curitiba apenas com o intuito de aplicar o golpe – já que em São Paulo estavam muito visados.

Em consulta no sistema, os policiais constataram que um dos suspeitos, o homem, de 37 anos, possuí um mandado de prisão condenatória pelo crime de estelionato, expedido pela Justiça de São Paulo. Os demais não possuíam passagem policial.

O trio foi autuado em flagrante por estelionato, associação criminosa, falsidade ideológica e uso de documento falso. Todos permanecem detidos no Setor de Carceragem Temporário.

Repórter Vanessa Fernandes

Clique aqui para ver a publicação completa

Salário das mulheres é 26% menor do que dos homens no Paraná

Salário das mulheres é 26% menor do que dos homens no Paraná

Foto: AEN

A desigualdade de salários entre homens e mulheres vem caindo no Paraná, é o que demonstram dados divulgados pelo IBGE e compilados aqui no estado pelo Ipardes. Em 2016, o salário médio dos homens foi de R$ 2.441, contra R$ 2.206 das mulheres, uma diferença de R$ 235.

Naquele ano, que são os dados mais recentes, as mulheres ganhavam 26,5% menos do que os homens. Em 2012, essa diferença era de 32,1%. O rendimento médio dos homens era em 2012 de R$ 2.442, enquanto as mulheres recebiam R$ 1.658, de acordo com o IBGE.

De acordo com o diretor do centro de estatísticas do Ipardes, Daniel Nojima, a queda na diferença se deve a uma mudança estrutural registrada nos últimos anos. As mulheres, especialmente as jovens, têm mais anos de estudo do que os homens, o que tem se refletido em maiores remunerações.

Entre 2012 e 2014, o salário das mulheres aumentou 47% no Paraná, sem considerar a inflação no período. Já o dos homens ficou praticamente estável.  A tendência, segundo Daniel Nojima, é que a diferença entre os salários continue em queda.

Entre 2012 e 2016, o Paraná melhorou duas posições entre os estados com menor desigualdade salarial entre homens e mulheres, passou do quarto para o sexto lugar no ranking.

Clique aqui para ver a publicação completa

Profissionalizando as finanças: como corrigir as práticas informais de contabilidade?

Antes de pensar na busca por investimento, você precisa se certificar de que as contas da sua empresa estão em ordem. Essa checklist vai te ajudar!

Quando o assunto é Gestão Financeira, os atalhos só o fazem pegar o caminho mais longo. Práticas informais de contabilidade, falta de controle do caixa ou de cuidado com o inventário podem ser um grande gargalo de crescimento para as empresas, já que dificultam a busca por investimentos ou empréstimos bancários. Mesmo que essa não seja uma prioridade para você hoje, pode ser daqui a 5 anos. E se as contas não estiverem em ordem desde já, podem comprometer o processo futuro e a continuidade do seu negócio.

Por isso, o mentor Marco Miranda, em mentoria coletiva para o programa BRMALLS PARTNERS, criou uma checklist com os erros mais comuns dos empreendedores que costumam ser diagnosticados durante uma auditoria. Sente-se com seu gerente financeiro, chame seu contador para uma conversa, e repasse esse material para entender quais são as situações mais sensíveis do seu negócio e que podem gerar grandes riscos no futuro.

Vamos a eles!

Aspecto societário

1) Estruturação de CNPJs por atividade

É muito comum com o crescimento da empresa que tudo esteja vinculado a um mesmo CNPJ: distribuidora, franqueadora, lojas próprias e até associações. O ideal é que exista um CNPJ para cada iniciativa. Realizar a divisão de CNPJ por atividade facilita a entrada do investidor.
Porém, esse processo é diferente da elisão fiscal, no qual o empreendedor divide a empresa entre vários CNPJs para se manter dentro do mesmo regime tributário — o SIMPLES Nacional, por exemplo. Nesse caso, a diferenciação acontece por atividades da empresa e não tamanho do negócio, desmembrando as diferentes iniciativas em CNPJs individuais.

Aspectos financeiros

1) Revisão do orçamento anual

Você controla o orçamento anual? O ideal, segundo Miranda, é desenhar uma versão no início do ano e revisar com peri…

Clique aqui para ver a publicação completa

Polícia prende suspeito de envolvimento nos últimos ataques a bancos e carros-fortes no Paraná

Polícia prende suspeito de envolvimento nos últimos ataques a bancos e carros-fortes no Paraná

Foto: Polícia Civil

Foi preso na segunda-feira (26), um homem considerado perigoso e com ficha criminal extensa. A prisão foi realizada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (COPE).

De acordo com o Delegado Rodrigo Brown, o homem, de 42 anos, conhecido como “Coelho”, é suspeito de ser um dos principais articuladores dos assaltos a bancos e carros-fortes registrados neste ano.

Desde 2007, Coelho já foi preso quatro vezes, uma das últimas pelo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) da Polícia Civil, pelo sequestro do gerente de um banco, em Matinhos. Ele estava foragido desde janeiro de 2017, quando fugiu da Penitenciária Estadual de Piraquara.

Além de possuir dois mandados de prisão em aberto, o suspeito responde por mais de 30 processos por tráfico de drogas, associação para o tráfico, homicídio, roubo, organização criminosa, porte ilegal de arma de fogo e uso de documentos falsos, e suas condenações chegam a 34 anos de prisão.

Além de integrar a quadrilha de roubos a bancos e carros-fortes, Coelho também atuava no tráfico de drogas, em Curitiba, e teria envolvimento no assassinato de dois homens e uma mulher na Vila Bracatinga, no bairro Pilarzinho, devido a uma disputa por pontos de vendas de entorpecentes.

Ao longo de todo o trabalho de investigação do Cope, que durou alguns meses, os policiais apreenderam forte armamento. Pelo menos sete fuzis foram encontrados e recolhidos, até um calibre ponto 50, que consegue abrir até a estrutura de um carro blindado.

Repórter Vanessa Fernandes

Este slideshow necessita de JavaScript.

Clique aqui para ver a publicação completa

Setores do comércio e serviços têm alta em 2017, segundo IBGE

Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, apontam que os setores do comércio e serviços fecharam 2017 com resultados positivos, após recuos registrados nos últimos dois anos. O comércio paranaense teve alta de 4% em relação a 2016; o segmento de serviços aumentou 5% em 2017, na comparação com o ano anterior.

O desempenho paranaense foi acima da média nacional. Para Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Ipardes, o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social, o resultado do Paraná se deve ao aumento da produção das empresas no ano passado.

O diretor-presidente do Ipardes destaca a importância do setor de serviços no Estado.

Conforme dados do IBGE, no acumulado do ano, os serviços prestados às famílias nas áreas de alojamento, restaurantes e hotéis foram destaques e tiveram alta de 17,9%. Em segundo lugar vieram os serviços de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correios, com aumento de 14,9%. Serviços profissionais, administrativos e complementares, como contadores, advogados e arquitetos, por exemplo, tiveram avanço de 4,6%.

No comércio, as maiores altas foram nas vendas de combustíveis e lubrificantes; equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, ambos com 17,5% de aumento nas vendas em relação a 2016. Outro setor que teve bom desempenho foi o de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com crescimento de 3,3%.

Repórter Joyce Carvalho

Clique aqui para ver a publicação completa